abr 262010
 

Quando decidimos vender um imóvel, talvez uma das primeiras dúvidas que nos vem à mente, é se devemos vendê-lo através de um corretor (ou imobiliária), ou por nossa própria conta. É um aspecto “sui generis“: a maioria das pessoas não pensa assim quando se trata de resolver uma pendência na justiça (logo vem à mente contratar um advogado). Se o problema é estrutura do imóvel, a contratação de um engenheiro é o caminho natural. E por aí vai… Quase todo mundo conhece a necessidade em contratar bons profissionais para a execução de tarefas específicas.

O que leva, então, algumas pessoas a pensarem que em se tratando da compra e venda de imóveis essa necessidade não existe?

A resposta talvez esteja no surgimento da profissão de corretor de imóveis no Brasil e, claro, tudo o que se fez ao longo dos últimos anos quanto à regulamentação desse serviço, incluso aí a participação do sistema CRECI/COFECI e SINDIMOVEIS.

O fato é que o corretor de imóveis, sob o ponto de vista da formação profissional, “corre atrás da regulamentação”. Historicamente a profissão nasceu de maneira informal, realizada por pessoas sem nenhuma formação para a venda de imóveis. E até hoje, característica que felizmente vem diminuindo, o corretor de imóveis adquire “proficiência” durante o exercício da profissão, completamente diferente das demais categorias, cujo exercício requer, em tese, uma formação educacional prévia.

Mas há que se enfatizar dois aspectos fundamentais nessa relação entre comprador e vendedor de imóvel e o corretor responsável por essa intermediação:

  1. à despeito do que alguns imaginam, corretores têm informações privilegiadas sobre o mercado imobiliário, preciosas para que as partes façam um negócio justo e seguro (evidentemente, se alguém quiser tirar vantagem indevida nessa relação, talvez o corretor atrapalhe);
  2. a lei regula o exercício da profissão de corretor de imóveis. Quem utiliza esses serviços está sob a proteção de vários artigos que, em última instância, garantem a satisfação do consumidor.

Veja algumas vantagens e desvantagens que as pessoas experimentam ao negociar imóveis com ou sem a assessoria de um profissional regulamentado.

Venda por conta própria

Vantagem:

  • Economia da comissão devida ao corretor ou imobiliária (em média 6% do valor do imóvel).

Desvantagens:

  • Receber telefonemas em qualquer horário, de várias pessoas, entre as quais curiosos e pessoas que tem um imóvel semelhante e querem saber por quanto vender;
  • Receber a visita de desconhecidos (é quase inacreditável que hoje em dia alguém ainda se arrisque a receber um desconhecido dessa forma);
  • Ter que colocar placa e receber transeuntes na porta de casa (quase 100% de chance de ser assaltado);
  • Ter prejuízo financeiro por vender o imóvel por um preço abaixo do mercado ou não conseguir vendê-lo por estar muito acima do preço ideal;
  • Não ter tempo livre para dar atenção a compradores potenciais;
  • Deixar de fazer ou fazer um contrato de promessa de compra e venda mal feito, com enormes prejuízos (por exemplo receber um sinal sem fixar o prazo de pagamento do restante).

Venda através de um corretor

Vantagens:

  • Normalmente, o corretor já tem alguns clientes que se encaixam no perfil daquele imóvel, aguardando por uma boa oportunidade;
  • O imóvel será amplamente divulgado, em jornais, websites, blogs, material impresso como informativos, mala direta, etc, possibilitando que a venda ocorra em um prazo menor;
  • Hoje em dia, praticamente todas as imobiliárias e corretores trabalham “em rede”. Quando o cliente “entrega” seu imóvel a determinado profissional, na verdade é como se ele estivesse contratando dezenas de empresas;
  • O corretor é quem receberá os telefonemas filtrando as pessoas realmente interessadas na compra;
  • O corretor somente levará ao seu imóvel, pessoas previamente identificadas, mediante apresentação de documentos pessoais e com perfil adequado ao seu imóvel;
  • O corretor por dominar todo o trâmite da transação imobiliária, facilitará o processo e o tornará mais seguro tanto para o vendedor quanto para o comprador;
  • O corretor sempre acompanhará a pessoa interessada em conhecer seu imóvel, evitando a ação de ladrões;
  • Os compradores potenciais preferem procurar os corretores e imobiliárias por centralizarem várias ofertas de imóveis e também para ajudá-los na compra;
  • O corretor orientará as partes sobre toda a documentação necessária, certidões, recolhimento de impostos, bem como sobre todo o trâmite da transação como proposta, assinatura de contrato, registro da escritura, etc.;
  • O corretor de imóveis responde juridicamente pela satisfação das partes.

Desvantagem:

  • Ter que pagar em média 6% do valor do imóvel como honorários.

Tome sua decisão baseado em fatos e se decidir contratar um corretor ou imobiliária, verifique o seu número de inscrição no Creci do seu estado e consulte se o profissional ou empresa estão em dia com suas obrigações e não tem nenhum processo ético-disciplinar contra si.

Boa sorte e bons negócios!

Se você gostou desse artigo, considere deixar um comentário ou assine nosso feed para receber futuros artigos no seu leitor de feeds.

  Um Comentário para “Quais as vantagens de vender um imóvel através de um corretor?”

  1. eu atuo com a venda de imóveis na zona leste de São Paulo, precisamente com a venda de imóveis em São Miguel Paulista, Imóveis em Ermelino Matarazzo e Itaim Paulista, e para esse lados prezados amigos do forum imobiliário, como diria um prezado cliente o chicote estrala, conheço um português que odeia corretores de imóveis, ele tem uma placa na casa dele não atendo corretores, ele mostra o imóvel para qualquer um, a 3 semanas atrás ele foi assaltado, e os ladrões humilharam ele e a familia, a principal vantagem em deixar um imóvel aos cuidados de um corretor, chama-se 

    SEGURANÇA !

Deixe uma resposta