Últimas Notícias
Home / Mercado / Investimentos / Bolha Imobiliária Potiguar

Bolha Imobiliária Potiguar

A grande quantidade de empreendimentos imobiliários que estão sendo lançados no Rio Grande do Norte desde o segundo semestre de 2009, aliada ao o crescente aumento no preço das unidades habitacionais podem ser responsáveis por criar uma bolha imobiliária no estado, a exemplo do que ocorreu nos Estados Unidos em 2008. Mas especialistas garantem que o estouro dessa bolha não deverá ocorrer em breve e o mercado potiguar se manterá em crescimento durante um período mínimo de 5 ou 6 anos.

O termo bolha é utilizado por economistas, representando a constatação de que os preços no mercado imobiliário estão bem acima de seu real valor, mas os consumidores continuam dispostos a pagar ainda mais, criando um ciclo especulativo difícil de estabelecer o seu fim. A ameaça consiste em uma rápida queda geral, e assim, é feita uma analogia ao estouro de uma bolha de sabão.

Para o economista e chefe da unidade estadual do  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Aldemir Freire, existe o risco de estar sendo formada uma bolha imobiliária no estado, mas ele acredita que o seu “estouro” não esteja próximo. “Na verdade, o Brasil ainda tem um déficit habitacional gigantesco e nosso sistema de financiamento para a aquisição de imóveis é bem mais seguro do que ocorria nos Estados Unidos até o final de 2008. Lá, em muitos casos, havia mais de uma hipoteca por imóvel e as pessoas utilizavam o dinheiro para consumo, enquanto aqui no Brasil isso não ocorre, pois o crédito imobiliário é estritamente para a aquisição de imóveis e são exigidas muitas garantias”, analisa.

De acordo com Freire, a expectativa do setor no estado é registrar intenso crescimento ao longo de um período mínimo de 5 ou  6 anos. Isso porque a capacidade de endividamento da população brasileira é algo entre 40% e 50%, o que mostra haver ainda bastante espaço para a realização de financiamentos imobiliários.

O economista considera que o Rio Grande do Norte já viveu uma espécie de “estouro de bolha imobiliária”, no mesmo período em que a crise financeira mundial teve início nos Estados Unidos. Na época, o volume de estrangeiros adquirindo imóveis em solo potiguar era muito elevado e sofreu uma redução drástica. “Dessa forma, aqueles projetos de grandes resorts no litoral do Rio Grande do Norte, que foram lançados com bastante alarde, não chegaram nem a sair do papel”, lembra.

Aldemir Freire explica que os preços dos imóveis eram muito mais altos do que a realidade e, como os europeus não puderam mais comprar, entre o final de 2008 e julho ou agosto de 2009, o setor de construção civil potiguar passou por um período bem difícil, com o lançamento de pouquíssimos empreendimentos. Assim, para sobreviver no mercado, as empresas ligadas ao setor precisaram se adaptar à uma nova realidade. “Agora, são raros os lançamentos de flat em Natal, por exemplo. Os empreendimentos são principalmente apartamentos de dois ou três quartos, com grandes áreas de lazer. Ou seja, o mercado se voltou para a população natalense”, conclui.

Empresas acreditam em mais crescimento

Construtoras e instituições financeiras que atuam no Rio Grande do Norte, apostam no fortalecimento do setor imobiliário ao longo dos próximos anos. Entre representantes das empresas, a percepção comum é de que a ascensão das classes sociais mais baixas, o maior acesso ao crédito e o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, foram responsáveis por alavancar as vendas de imóveis, desde o segundo semestre de 2009.

Uma das construtoras que está investindo no RN é a Delphi, que planeja 20 lançamentos para a capital do estado, ao longo dos anos de 2011 e 2012, voltados aos públicos de média e alta renda. Para a diretora da empresa, Cintya Delfino, o risco de bolha imobiliária no mercado brasileiro – e, consequentemente, no potiguar – é mínimo, pois devido aos anos de inflação alta vividos pelo Brasil, os marcos regulatórios do setor são bem estruturados e a legislação de incorporação, segura. “A experiência da forte inflação foi muito importante, para que agora não cometamos erros semelhantes aos que levaram à crise imobiliária nos EUA”, avalia a empresária.

Demonstrando otimismo com o mercado imobiliário potiguar, o diretor comercial da construtora MRV, Yuri Chain, diz que a empresa conta com 5 empreendimentos já lançados e pretende apresentar mais 3 ao público potiguar no primeiro semestre deste ano. O volume investido será de R$ 80 milhões. “Lançamos mais de 3 mil unidades habitacionais no estado e já vendemos mais de 2 mil apartamentos. Pretendemos continuar investindo no Rio Grande do Norte e a empresa vê o estado como um mercado consolidado”,   garante Chain.

O grupo empresarial Capuche também tem planos de investir forte na capital potiguar e prevê em torno de oito lançamentos, somente este ano. “O mercado imobiliário de Natal continuará pujante por bastante tempo, pois ainda existe um grande  déficit habitacional e o investimento imobiliário ainda é o mais seguro”, prevê o diretor do grupo, Edson Matias.

Financiamentos

O diretor comercial da Companhia Hipotecária Brasileira (CHB), Nelson Campos, ressalta que além de atuar com os tradicionais estilos de financiamentos, a empresa lançou recentemente uma linha voltada para reformas em condomínios. Ele explica que através dessa nova modalidade de crédito, o cliente pode ter acesso a 100% dos recursos em uma única vez, ou de acordo com sua necessidade. “Ter o dinheiro em mãos, dá maior poder de negociação junto aos fornecedores, o que permite também reduzir o prazo das obras, já que com os recursos financeiros à disposição não será necessário aguardar a arrecadação das cotas dos condôminos para pagar as despesas”, diz.

De acordo com Campos, por ser um produto novo, a procura ainda é tímida e a expectativa da empresa é que o interesse aumente à medida em que a nova linha passe a ser mais conhecida. Atualmente, o crédito voltado à reforma já foi contratado por 23 condomínios em São Paulo e 6 em Natal.

Executivo alerta para risco de bolha imobiliária

O diretor executivo da BDO auditores independentes, Eduardo Pocetti, em artigo divulgado na terça-feira passada, alerta para o risco de ser criada no Brasil uma bolha imobiliária, devido à forte demanda, grande oferta de crédito e movimento especulativo.

De acordo com Pocetti, o mercado imobiliário brasileiro está aquecido, sobretudo nas capitais e grandes cidades, onde há um enorme número de lançamentos, de empreendimentos e de construções em diversos estágios de acabamento, destinados a públicos de variados estratos sociais. Sabemos que, de fato, há no Brasil um grande déficit habitacional. Ele diz que com a ascensão econômica das classes menos privilegiadas, cresceu também a procura por imóveis e a tendência é que o déficit de moradia no país seja minimizado.

A alta nos preços dos imóveis é vista como natural por Pocetti, uma vez que mais pessoas têm acesso a esse produto, pelo aumento do poder de compra da população e crescimento da economia brasileira, além da farta oferta de crédito. “A questão é quando a alta dos preços ocorre em razão de movimentos especulativos. Não podemos nos esquecer da crise de créditos hipotecários subprime nos Estados Unidos, que deu origem à depressão econômica internacional de 2008/2009, uma das piores já registradas globalmente”, avalia o diretor da BDO.

Pocetti lembra que em território americano, o problema ocorreu pela conjugação de uma série de fatores, como a elevação exagerada nos preços dos imóveis, grande oferta de crédito barato e falta de prudência das instituições financeiras, que concediam empréstimos exigindo pouca ou nenhuma garantia.

Apesar de chamar a atenção para possíveis consequências da especulação imobiliária, ele considera que a situação brasileira é bem diferente da vista nos Estados Unidos pré-crise financeira. De acordo com Pocetti, mesmo com a grande oferta de crédito, as instituições financeiras brasileiras são muito exigentes com as garantias requeridas dos tomadores. Além disso, o país não tem a cultura das “hipotecas múltiplas”, e o crescimento do país parece ser capaz de dar sustentação à alta de preços.

“Mas nunca é demais alertar sobre o temor de que movimentos especulativos possam vir a provocar um eventual ‘estouro da bolha imobiliária’, o que certamente resultaria em grandes estragos em nossa economia. Portanto, fiquemos atentos às altas nos preços dos imóveis”, conclui o executivo.

Fonte: Tribuna do Norte

Sobre Administrador

Veja também

Caixa Reduz Juros do Crédito Imobiliário & Outras Notas

CAIXA REDUZ OS JUROS DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO A Caixa Econômica Federal anunciou a redução da …

  • "a bolha existe, mas especialistas garantem que o estouro dessa bolha não deverá ocorrer em breve…". Essa frase é muito curiosa…