Últimas Notícias
Home / Habitação / Locação / Cartão aluguel da CEF: era para ser uma boa notícia

Cartão aluguel da CEF: era para ser uma boa notícia

Recém-lançado pela Caixa Econômica Federal (CEF), o Cartão aluguel chegará ao mercado com a promessa de substituir as demais modalidades de fiança. Hoje, as mais comuns, segundo o Secovi Rio, são o fiador, o depósito, e o seguro-fiança que, apesar de ter registrado um forte crescimento, ainda pesa no bolso (cerca de 1,2 aluguéis por ano).

O inquilino que optar pelo cartão pagará uma anuidade de R$ 96 (a ser quitada em 12 prestações de R$8) mais taxa de manutenção de 6,67% ao mês. Assim, quem tem contrato de mil reais, pagará R$ 1.067 mensais, o que, ao fim de um ano, representará um encargo de R$ 804. Somados aos R$ 96 da anuidade do cartão, esse custo representará 90% do valor do aluguel.

Renda mínima exigida será de mil reais – O cartão será oferecido nas bandeiras MasterCard e Visa, na modalidade internacional. Além de oferecer a linha de aluguel, ele funcionará como um cartão de crédito comum, podendo ser utilizado para a realização de compras em estabelecimentos comerciais. Dessa forma, o cartão terá dois limites independentes: o limite aluguel e o limite rotativo.

Segundo o vice-presidente de pessoa física da Caixa, Fábio Lenza, a proposta do novo cartão é propiciar mais agilidade e modernizar o processo de locação. Os critérios para análise de crédito, diz, serão os mesmos já adotados para a aprovação do cartão de crédito. Hoje, segundo o Secovi Rio, o Índice de Velocidade de Locação (que mede o período médio que os imóveis demoram para ser alugados) é de 38 dias.

“A idéia é oferecer segurança e agilidade à operação, a um custo competitivo. Será como comprar, por exemplo, uma TV em 12 vezes. Ao usar o cartão pela primeira vez, as parcelas seguintes constarão automaticamente das próximas faturas”, explica.

A expectativa do banco é de que o novo produto já esteja disponível em todo país a partir do mês que vem. Por enquanto, o projeto piloto ficará restrito a quatro imobiliárias, de São Paulo e de Goiás.

Tendência que poderá ser seguida por outros bancos – Para o presidente do Sindicato da Habitação (Secovi Rio), Pedro Wähmann, a novidade é bem-vinda num mercado onde a procura por locação aumenta a todo vapor.

“A idéia de se criar uma nova garantia é muito saudável. Hoje, com a estabilização da economia, há muito mais gente com condições financeiras de alugar um imóvel. E muitos ainda esbarram em exigências que não conseguem cumprir, como achar, por exemplo um fiador que tenha mais de um imóvel. É claro que ainda é cedo para atestar a funcionalidade do cartão, mas acredito que, com o tempo, serão feitos ajustes”, afirma Wähmann, para quem a iniciativa da CEF deverá ser seguida por outros bancos.

A proposta inicial do cartão aluguel (lançada há mais de 1 ano atrás) era diferente do que está sendo apresentado agora. Partiu de uma solicitação do Creci-SP para a implantação de um seguro-fiança social que atendesse a uma parcela da população que não dispõe de garantias para alugar um imóvel. Entretanto, quem tiver um aluguel de R$ 500, terá que pagar anualmente R$ 496,20. Como provavelmente o cidadão será obrigado a ter uma conta na CEF, esse custo ultrapassará os 100% de um aluguel… O que tem de social nisso?

No final das contas, as empresas de seguro-fiança vão reajustar seus preços (para torná-los compatíveis com o cartão-aluguel) e tudo ficará como antes, à exceção da abertura desse filão para “novos exploradores” (bancos e administradoras de cartão de crédito).

Por outro lado, a frase do vice-presidente da Caixa, Fábio Lenza, beira o escárnio: não é como comprar uma TV em 12 vezes! A TV é um item acessório, eu compro se quiser (posso inclusive economizar e pagar à vista) e no final ela é minha. Fiança locatícia eu sou obrigado a pagar (se quiser ter onde morar – gênero de primeiríssima necessidade) e o patrimônio vai para o cofre do banco.

Alegremente apresentado por gestores do governo, o cartão-aluguel era para ser uma boa notícia… para o povo brasileiro…

Sobre Administrador

Veja também

Locação Residencial

É comum surgirem perguntas sobre locação residencial, então achei oportuno fazer um apanhado geral e …

  • o pessoal da caixa está mais perdido que cego em tiroteio ninguém explica com clareza, lhe dão o folheto mais os detalhes nada, meu gerente na caixa disse donsergione da licença que eu vou tomar um cafézinho, vê se pode

  • O enquadramento legal da garantia oferecida pela CEF, de acordo com a Lei do Inquilinato, é FIANÇA BANCÁRIA, só que muito pior do que a oferecida há décadas por qualquer outro banco!! O alardeado Cartão Aluguel da CEF só garante o aluguel durante a vigência inicial do contrato que, segundo o banco, TEM que ser de 12 meses (Adeus denúcia vazia)!! Imobiliárias, atentem pra isso: não garante encargos, multas ou danos, não garante renovação, imobiliária tem que se transformar em correspondente bancário (fácil, fácil), além do custo para o inquilino, IMOBILIÁRIA PAGA pra aceitar o cartão!! Enfim, a CEF parece não ter se importado em pesquisar as necessidades do mercado que pretende atingir com seu produto.. Só precisa mudar uma coisa no Cartão Aluguel: TUDO.

  • Ran

    É muito cinismo criticar esse tipo de ação da caixa. Aluguel no Brasil é uma coisa agudamente desequilibrada, e qualquer iniciativa que pretenda trazer mais bom-senso e dinamismo ao mercado é bem-vinda.

    O inquilino paga o aluguel; paga o IPTU; paga o condomínio; paga qualquer benfeitoria, mesmo as necessárias; paga o seguro-fiança, que chega a 2 vezes o valor do aluguel (e lembremos que o aluguel tem crescido nos últimos meses); paga taxa de emissão da apólice do seguro-fiança, paga IOF do seguro-fiança; precisa abrir toda a sua vida para as imobiliárias, muitas vezes precisa se submeter a excentricidades do locador…

    E tudo isso acontece a despeito do fato de a moradia ser uma coisa _necessária_ para as vidas das pessoas, a despeito dos locadores serem necessariamente a parte forte nessa relação econômica (pois são proprietários, têm muito mais segurança, frequentemente vivem de renda).

    Imaginem que o Código de Defesa do Consumidor não existisse. Seria uma porcaria, não? As empresas fariam o que querem. É mais ou menos assim que se sentem os inquilinos, vítimas dos mandos e desmandos de imobiliárias. A Lei do Inquilinato, por razões históricas, favorece muito o locador.

    O cartão da CEF tem por objetivo justamente corrigir algumas dessas distorções. Se a introdução do cartão reduzir o valor do seguro-fiança, os inquilinos já terão uma grande vitória. Afinal, o mercado de garantias imobiliárias é outro que é totalmente absurdo. A Porto-Seguro monopoliza o segmento!

    • Alfredo de Castro

      Respeito sua opinião mas o que o amigo entende por cinismo (sic) nada mais foi do que uma crítica construtiva a um produto que, no nosso entendimento, foi mal elaborado e não atende aos interesses de nenhuma das partes envolvidas na locação, inclusive o interesse do inquilino que o amigo defende com propriedade. Também entendemos que o inquilino é a parte mais fraca da relação locatícia e que ele não dispõe de mecanismos eficientes que protejam seus interesses.

      O produto da Caixa, se comparado ao seguro fiança é muito, mas muito mais caro. As seguradoras oferecem coberturas bem mais amplas e consistentes e, portanto, cobram pelo risco assumido. Suas coberturas são mais completas por exigência do mercado imobiliário e, também, para cumprir o que diz o Art. 41 da Lei do Inquilinato: "os seguro de fiança locatícia abrangerá a totalidade das obrigações do locatário."
      Caso alguma seguradora lançasse um seguro com as frágeis coberturas do famigerado cartão aluguel da Caixa, certamente seu custo seria bem menor que 6,67% ao mês mais anuidade de R$ 96,00 e mais o custo que a imobiliária terá que pagar pra aceitar o cartão que ainda não sabemos.

      Em resumo, se a CEF quer lançar uma "meia garantia" pra aluguel, que pelo menos cobre um custo compativelmente baixo e não queira comparar seu preço ao do seguro fiança, são garantias absolutamente diferentes. Até o fiador, que apesar de não passar de uma promessa mas ser de graça, confere mais segurança ao locador do que o Cartão Aluguel Caixa.

  • isso realmente é muito bom, '' bom para o banco '' que vai arrumar mais um produto para vender …

  • Éverson

    Questão: Se o inquilino causar danos ao meu imóvel? Resposta: A Caixa não se responsabiliza, somente se responsabiliza com o pagamento dos aluguéis.

    Questão: Se o inquilino não pagar a energia elétrica, o gás, o condomínio? Resposta: A Caixa não se responsabiliza, somente se responsabiliza com o pagamento dos aluguéis.

    Questão: Se há uma multa contratual por desrespeito as regras do contrato? Resposta: A Caixa não se responsabiliza, somente se responsabiliza com o pagamento dos aluguéis.

    Questão: Se o contrato é maior que 12 meses e o inquilino foi pro SPC? Resposta: A Caixa não garante a renovação da garantia.

    Escuta aqui, diante de tudo isso, esse produto é considerado uma garantia locatícia mesmo? É piada neh?

  • Leonardo

    Mas se não for uma garantia locatícia que os proprietários entendam por interessante, eles não vão aceitar como garantia da locação deles. Em uma imobiliária, muitos proprietários deixam o valor que querem e a garantia que aceitam, ou seja, uns fazem questão do seguro-fiança, outros de fiador, outros até depósito aceitam. Se eles não gostarem do produto, podem ter certeza que o próprio mercado irá se encarregar de tirar o produto de circulação.
    Talvez por isso o modelo esteja sendo testado antes, em 4 imobiliárias, para ver a aceitação dos proprietários. Afinal é um produto para eles, não aos inquilinos. O produto visa ajudar os inquilinos, se o mercado considerar que a ação é "segura o suficiente". Qual será o índice de danos a imóveis ou eventuais acidentes talvez protegidos sem qualquer possibilidade real de acontecer?

    Leonardo

  • se o cartão tivesse um seguro que garantisse pelo menos os honorários advocatícios, já seria um pequeno diferencial agregado, infelizmente é só mais um cartão de um banco …. 

  • edilene mendess

    a caixa n explica nada, visto ue aqui nos comentários n houve alguém se quer que dissesse alguma coisa boa, é só uma maneira de explirar aquele que infelizmente não pode ter sua casa própria, isso é engano total.

  • jaqueline

    Quero saber quais  imobiliárias aqui no abc que aceitam o cartão aluguel?

  • eduardo

    nem fui ver na caixa ainda, mais liguei aqui na visão imóveis de indaiatuba, uma merda de imobiliaria que acha que manda em tudo na cidade, e disse que não aceitariam este cartão, eu disse que isso não é possivel, e que entãi precisaria alugar sem fiador, disseram que não tambem, vou ter que ir no procom pra resolver isto.