Últimas Notícias
Home / Editores / Carlos Alceu / Decisão do STJ Favorece o Mercado Imobiliário & Outras Notas

Decisão do STJ Favorece o Mercado Imobiliário & Outras Notas

DECISÃO DO S.T.J. FAVORECE O MERCADO IMOBILIÁRIO
O Superior Tribunal de Justiça decidiu que o ganho de capital obtido por uma pessoa física na venda de um imóvel, pode ser utilizado para quitar, parcial ou integralmente, financiamento habitacional contratado anteriormente pelo vendedor para a compra de um outro imóvel, ficando, assim, isento do imposto de renda sobre aquele lucro. Até agora, a Instrução Normativa nº 599/2005, da Receita Federal, impedia essa operação.

BANCOS ATRAEM CLIENTES COM REDUÇÃO NAS TAXAS DE JUROS
A alta do desemprego e queda na renda, causados pela crise econômica, derrubaram o volume de contratos fechados na compra de imóveis. Na disputa pelo consumidor que sonha com a casa própria, os bancos começam a investir em facilidades. Uma delas é a redução da taxa de juros do crédito habitacional para menos de 10% ao ano.

MÚTUOS IMOBILIÁRIOS ATINGEM MAIOR VOLUME MENSAL DO ANO
Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança totalizaram R$ 4,24 bilhões – uma alta de 11,7% em relação a junho e de 10,9% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Este é o maior volume mensal de 2017. No acumulado do ano, foram financiados R$ 24,79 bilhões, montante 6,2% menor que o apurado em igual período de 2016.

VENDA DE APARTAMENTOS NOVOS TIVERAM ALTA DE 5,8%
O mercado imobiliário nacional tem dado sinais de aquecimento. No segundo trimestre, 22.685 apartamentos novos foram vendidos, representando uma alta de 5,8% na comparação com 2016. Já no acumulado do primeiro semestre, foram negociadas 41.988 unidades, mostrando um avanço de 2,6%. Com mais vendas do que lançamentos, as empresas de construção estão reduzindo seus estoques, o que poderá acarretar a falta de imóveis novos no médio prazo.

CMN REGULAMENTA NOVO TÍTULO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO
O mercado financeiro ganhará um novo instrumento para estimular o crédito imobiliário, com menor risco que os títulos privados tradicionais. O Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou a Letra Imobiliária de Crédito. A grande diferença da LIG em relação aos instrumentos tradicionais de crédito é o menor risco no financiamento imobiliário, porque o título tem dupla garantia, tanto do banco que emite o papel como de um conjunto de financiamentos imobiliários.

DESCONTOS NOS IMÓVEIS FICARAM MENORES NO 2º TRIMESTRE
O Raio-X FipeZap, que acompanha a demanda por imóveis no País, registrou no 2º trimestre uma queda no desconto médio nas transações de imóveis, que passou de 9,5% para 8,0%. O perfil dos compradores também sofreu leve mudança: os homens ainda representam a maioria (56%), enquanto a faixa etária dos pesquisados é inferior a 50 anos (71%) e sua renda domiciliar corresponde a até R$ 10.000 mensais (70%).

ESTÁ COMPRANDO OU ALUGANDO? PESQUISE ANTES NA INTERNET
Se você está interessado em comprar ou alugar um imóvel, não esqueça de fazer uma pesquisa prévia pela internet. Trata-se de um procedimento simples. Selecione aqueles com características semelhantes as do imóvel que você pretende (localização, número de dormitórios, vagas de garagem, metragens, áreas de lazer etc.) e depois compare os preços anunciados.

GARANTIA LOCATÍCIA PODE SER DISPENSADA AO BOM PAGADOR
Na hora de alugar um imóvel, cabe ao inquilino apresentar comprovantes de identidade, renda e idoneidade financeira. Também precisa fornecer ao locador algum tipo de garantia locatícia, sendo que as formas mais comuns são o seguro-fiança, o fiador e o depósito-caução. Outras garantias, menos comuns, são a carta de fiança, o título de capitalização e o cartão de crédito. No entanto, se o inquilino provar que é bom pagador, a garantia pode até ser dispensada.

 

Sobre Carlos Alceu Machado

Veja também

A Hora de Investir em Imóveis é Agora & Outras Notas

A HORA DE INVESTIR EM IMÓVEIS É AGORA Após pelo menos dois anos de queda …