Últimas Notícias
Home / Editores / Carlos Alceu / Inflação e Juros em Queda Impulsionam Imóveis & Outras Notas

Inflação e Juros em Queda Impulsionam Imóveis & Outras Notas

INFLAÇÃO E JUROS EM QUEDA FAZEM CRESCER A VENDA DE IMÓVEIS
Após um ano marcado pelas crises políticas, as previsões para 2018 são mais positivas. De acordo o Banco Central, a estimativa é de que a inflação caia ainda mais, juntamente com as taxas de juros, e que o Produto Interno Bruto cresça. Como a inflação e os juros altos foram as principais razões para que o mercado imobiliário ficasse retraído, a tendência agora é o reaquecimento dos negócios.

SECOVI PREVÊ CICLO DE CRESCIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO
Para o Sindicato da Habitação de São Paulo, o mercado imobiliário deverá ter uma nova fase de crescimento a partir de 2019, sustentada pela perspectiva de oferta de crédito barato para a construção e aquisição de imóveis, com taxa básica de juros em torno de 8% ao ano e inflação estabilizada no patamar de 3% a 4% – cenário que permitirá ao setor receber um impulso relevante.

COMPRA DE IMÓVEL EM LEILÃO É PARA PROFISSIONAIS
Imóveis ofertados em leilões judiciais ou extrajudiciais pela internet, são cada vez mais comuns. Retomados por falta de pagamento e oferecidos por preços abaixo do seu valor de mercado, esse tipo de imóvel é uma alternativa para quem tem recursos disponíveis, não está com pressa de ocupá-lo e se dispõe a tomar muitos cuidados. Vale lembrar que comprar imóvel em leilão não é coisa para amadores.

REDUÇÃO DOS DISTRATOS IMPULSIONA O MERCADO IMOBILIÁRIO
As rescisões de contratos de promessa de compra e venda de imóveis já sofreram uma queda de 20% no primeiro semestre de 2017, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Também, a iminente criação de uma lei que deverá regulamentar definitivamente essas rescisões, é outro fato que deverá impulsionar o mercado imobiliário.

PREÇO MÉDIO DE VENDA DE IMÓVEL RESIDENCIAL FICA ESTÁVEL
O preço médio de venda dos imóveis residenciais no Brasil, aumentou apenas 0,03% em agosto, na comparação com julho de 2017, atingindo R$ 4.846,00 por metro quadrado – nível mais alto deste ano, de acordo com o índice DMI-VivaReal. Em relação ao mesmo mês de 2016, o indicador também ficou estável, conforme mostrou o levantamento, que contempla mais de 2 milhões de imóveis usados, disponíveis em 30 cidades do País.

20% DAS VENDAS MALOGRAM POR PENDÊNCIAS DOCUMENTAIS
Uma pesquisa mostrou que 20% dos imóveis à venda não tem a transação finalizada por problemas de documentação do vendedor ou do imóvel, que só são descobertos na hora da assinatura do contrato. Entre os problemas mais comuns, estão dívidas com IPTU e condomínios, imóveis em processo de partilha, restrições cadastrais ao vendedor e débitos trabalhistas.

MERCADO IMOBILIÁRIO SINALIZA RETOMADA DO CRESCIMENTO
A demanda por imóveis, um dos setores mais impactados pela crise, dá sinais de melhora. As buscas na internet para compra, venda ou aluguel de unidades cresceu 44% no primeiro semestre, quando comparadas com o mesmo período do ano passado, segundo levantamento do Google. As procuras por aquisições cresceram 71%, enquanto as buscas por locações tiveram uma alta de 21%.

INCORPORADORA LANÇARÁ APARTAMENTOS DE 10 M²
A incorporadora Vitacon anunciou que vai construir um empreendimento com apartamentos a partir de 10 m² na capital paulista. A questão, conforme diz a empresa, não é somente oferecer unidades mais baratas, mas proporcionar novas opções de moradia para cada fase de vida das pessoas. Mundialmente, a tendência é a redução do tamanho dos apartamentos nas grandes cidades.

 

 

 

 

Sobre Carlos Alceu Machado

Veja também

A Hora de Investir em Imóveis é Agora & Outras Notas

A HORA DE INVESTIR EM IMÓVEIS É AGORA Após pelo menos dois anos de queda …