Últimas Notícias
Home / Mercado / Investimentos / Investidores querem garantia de rentabilidade em flats

Investidores querem garantia de rentabilidade em flats

Garantia de rentabilidade mínima. Esse é o nome da figura contratual criada pelo grupo de investidores de um condomínio de hotelaria, que o mercado também chama de flat, para dividir com a operadora hoteleira os riscos desse tipo de empreendimento. “Senti que havia chegado ao meu limite ao receber da administradora, em março, somente R$ 67 para cada uma das três unidades de R$ 150 mil que havia adquirido há um ano”, conta o gestor do Blue Tree Convention Plaza, no Ibirapuera, Evaldo Silva. “Me reuni com os outros investidores e decidimos que, se a operadora não nos garantisse uma renda mínima por unidade, iríamos procurar outro grupo para administrar o empreendimento.”

A estratégia deu certo. Um aditivo contratual foi assinado no fim do mês passado, garantindo que cada proprietário receberá pelo menos R$ 800 por unidade. “Descobri, depois de uma primeira decepção com uma unidade no Meliá Confort Jardins, que é ilusão pensar que o investimento pode dar um bom retorno no primeiro ano”, afirma o advogado Sérgio Protta, que adquiriu há um mês uma unidade no Blue Tree Ibirapuera – desta vez, para ele mesmo morar.

O estouro na oferta de quartos – que dobrou nos últimos quatro anos, atingindo 30 mil leitos – frustrou os investidores que entraram por último nesse mercado, de olho na alta rentabilidade da década de 90.
Enquanto isso, o setor hoteleiro se queixa do que chama de “concorrência desleal”, já que os flats são registrados como empreendimentos residenciais e oferecem, muitas vezes, os mesmos serviços vendidos aos hóspedes e ao público externo pelos hotéis. “O que a hotelaria quer é que sejam equalizadas as condições dos hotéis e operadoras de flats. Assim, a hotelaria convencional não sai perdendo”, afirma o presidente da seção São Paulo da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Nelson Baeta Neves. Ele explica que não é contra os flats, mas não aceita dois pesos e duas medidas. “O que vemos é um mercado desregulamentado”.

O diretor-geral da Accor Hotels e presidente do Fórum de Operadores de Hotéis do Brasil (FOHB), Roland Bonadona, diz que o objetivo é regulamentar o setor hoteleiro por meio da Câmara de Legislação do Ministério do Turismo.

“Queremos justiça com o que foi feito de boa-fé, e é importante para a economia, e regulamentar o futuro”, afirma. “Temos de ter harmonia na lei, assim ela poderá ser única para hotéis clássicos e condomínios hoteleiros.”

A rede Accor trabalha com as duas modalidades de hospedagem. Segundo Bonadona, o setor cresce cerca de 5% ao ano. “As taxas de ocupação não são tão ruins se você oferece um bom serviço.”
No fim de setembro, o ministro do Turismo, Walfredo dos Mares Guia, se comprometeu, na abertura do Congresso da ABIH, a solucionar a lacuna na legislação do setor.

A imobiliária de flats em SP Rarus Flats é outro exemplo de administradora que trabalha para garantir aos investidores do mercado de flats a rgarantia de entabilidade.

Fonte: O Estado de São Paulo

Site: http://site.rarusflats.com.br/flats.html
Twitter: https://twitter.com/rarusflats
Blog: http://rarusflats.wordpress.com

Sobre Administrador

Veja também

As vantagens e os riscos de investir em flats.

São Paulo – Os flats já trouxeram muita dor de cabeça aos investidores no início …

  • bruno

    CUIDADO !!! Recebi do Sr.Chofi/Marina/Central Flats uma autorização (=paga) por 4 dias em SP.
    Viajo 450KM do RJ e ao chegar o apê não estava disponível, portanto a autorização foi falsa.
    Fui culpado por chegar em SP com 6 congressos em andamento. Não existia nenhuma vaga.
    Volto para o RJ, mais 450KM .Pior, ainda não fui reembolsado.
    Isso pode acontecer com voce: não existe nenhuma garantia que a AUTORIZAÇÃO será cumprida.
    Não CONFIE neles.