Últimas Notícias
Home / Cidades / São Paulo, crônica de uma tragédia anunciada

São Paulo, crônica de uma tragédia anunciada

Crise hídrica em SPEm 2003 essa matéria da Folha (jornal paulista, extremamente condescendente com as gestões tucanas) já alertava a população: sem novos investimentos, a estrutura hídrica existente para abastecimento da grande São Paulo entraria em colapso em 2010.

Desculpe a repetição, mas gosto de reforçar esses aspectos: há mais de 10 anos o governo de São Paulo foi avisado de que a estrutura existente não seria capaz de atender a população. Captou?

10 anos é muito tempo! E vale dizer que a estrutura atual é a mesma de 30 anos atrás, e de lá para cá a população da região metropolitana saltou de 10 para 22 milhões de habitantes. Nos mais de 20 anos de gestão tucana, o governo precisaria proteger as matas ciliares, reduzir o desperdício de água, construir novas represas e interligar os sistemas, enfim, o básico, “café pequeno” para o estado mais rico desse país.

E o que fez o PSDB? rigorosamente nada: depois de privatizar a Sabesp – companhia de águas paulista – se limitou a distribuir lucros para os acionistas, em média R$ 500 milhões/ano. Festa para alguns, a Sabesp foi até premiada nos Estados Unidos como a empresa que mais se valorizou na Bolsa de Ações de Nova York. Tragédia para outros, vejamos..

Para piorar, o eleitor paulista tem se notabilizado por enviar ruralistas para Brasília (deputados e senadores), que – entre outras coisas – simplesmente detonaram o meio ambiente no estado. Em nome do agronegócio – principalmente – 70% da vegetação que protegia os mananciais foi destruída. Para se ter ideia de como os psicopatas estão ganhando esse jogo, em meio a essa tragédia hídrica em SP, em Dezembro/2014 a assembléia paulista aprovou um projeto de lei (PL 219/2014) que diminui a mata ciliar (só podem estar de brincadeira, não?).

O resultado dessa sandice não poderia ser outro. Há mais de um ano falta água em SP, apesar da mídia condescendente não divulgar isso. Você talvez não saiba porque – é claro – eles começam a cortar a água nas regiões mais pobres, periféricas, mas chegará até você, aguarde.

Porém, o dado mais assustador, que também está sendo sonegado pela mídia, é que essa crise não tem volta. Existe uma dúvida sobre quando será o colapso total. Uns apostam em Março/2015, outros arriscam em Julho e alguns mais otimistas acreditam que a coisa vai estourar mesmo lá prá Setembro/Outubro.

Por colapso total, entenda nenhuma água. Zero. O que você acha que vai acontecer? Oded Grajew, entre vários outros, acredita em uma “Catástrofe social, econômica e ambiental“.

De uma maneira geral, esse assunto interessa a todo mundo, certamente a todos os paulistas, mas nosso foco não é o “geral”, é o mercado imobiliário. O que você acha que vai acontecer com esse mercado hiper-inflacionado, que vem se equilibrando na corda bamba a pelo menos 5 anos (há controvérsias, pessoalmente eu acho que o mercado imobiliário fora do MCMV está travado desde 2010)?

Para o mercado imobiliário, qual o potencial destrutivo de um panorama de caos social? Empresas já estão caindo fora de SP, o que vai gerar uma onda de desemprego. Qual o impacto disso em um mercado de imóveis com preços artificiais alavancado por bancos através de financiamentos? Precisa ser gênio para responder essa pergunta?

São Paulo é a locomotiva do Brasil, é o estado mais rico, está na vanguarda de todos os mercados realmente importantes para o país (como é o caso do imobiliário). Uma quebra no PIB paulista certamente vai afetar o resultado nacional.

O que acontecerá com o público do MCMV em SP que será o primeiro afetado por essa tragédia anunciada? Até que ponto o estouro da bolha imobiliária em SP (inquestionável, e no curto prazo) consegue afetar outros mercados, como Rio, Minas Gerais, Brasília, etc? O Brasil consegue manter seu ritmo independente do que acontece em sua maior cidade?

Será que até Julho/Agosto parte dos paulistanos ainda vai continuar chamando nordestinos de burros?

.

PS.: sempre aparecem uns “gênios” que acreditam que o problema é “climático”, como se fosse inevitável.. deviam responder, então, porque São Paulo, tem 2 enormes rios perenes cruzando a cidade.. ah, e nesse momento a cidade está sofrendo com inundações (só não é hilário porque é muito triste).

Sobre José Ruiz

Blogger, Corretor de Imóveis, editor do Fórum Imobiliário, especialista em Marketing Digital. Perfil de Twitter e Facebook abaixo: dá uma passadinha lá..

Veja também

São Paulo verticalizada: Falta de terrenos muda o desenho das metrópoles

São Paulo está rodeada por edifícios. Devido à pouca oferta de áreas na cidade, e …